Um dos maiores fatores fortalecedores da música nacional, principalmente no cenário independente/underground, são os festivais que acontecem Brasil afora. A maioria deles fortalecem com maior intensidade a cena local, colocando no seu line-up bandas que já fazem certo barulho na cidade ou Estado onde o festival acontece e através da participação no festival, começam a se projetar para além da cena local. Algum dos festivais já tem um peso e certa importância no calendário anual de eventos musicais brasileiro, e por isso normalmente contam com artistas já consolidados no seu line, enquanto outros contam igualmente com nomes de peso, mas nomes de peso no underground brasileiro, grandes bandas e artistas independentes. A ideia aqui é fazer uma trilha passando por alguns dos mais relevantes festivais independentes que acontecem no país anualmente, uma mistura entre os mais importantes, aqueles já consolidados nacionalmente, e os mais novos, os mais promissores para alcançar essa consolidação em escala nacional em pouco tempo. Nessa primeira parte listamos doze deles. E o Aloutta fará a cobertura de alguns destes a partir de agora.

Bananada – Goiânia, GO

Data: Tradicionalmente em maio, esse ano aconteceu em agosto

O Bananada é o maior festival independente do país, em 2018 chegou a vigésima e maior edição da história do festival. Em 2018 também, depois de anos o lugar onde acontece o festival mudou, e foi novamente nesse novo local que o festival aconteceu em 2019. Em 2018 foi a primeira vez que o festival teve quatro palcos durante os três dias finais de festival, o final de semana, onde as maiores atrações se apresentam. Durante toda a semana o bananada acontece nas casas de show de Goiânia, também contando com grande programação em uma espécie de aquecimento para o fim de semana. Além de um line up sempre muito qualificado contando com misturando muitos nomes da cena goiana, com grandes bandas brasileiras do cenário independente underground e nomes de renome internacional. Nesse sentido, a edicção de 2019 contou com nomes como: Boogarins, Beto Cupertino, BRVNKS, Baco Exu do Blues, Duda Beat, menores atos, Black Alien, João Donato e Pitty, nomes internacionais, entre vários outros. O festival possui atividades artísticas acontecendo em paralelo aos shows, exposições, flash tatto, venda de produtos do festival e das bandas, além dos foodtrucks participando do circuito gastronômico. Dezenas atrações musicais, arte expressa de diversas formas e uma invejável organização, receita que vem dado certo há mais de duas décadas.

Porão do Rock – Brasília, DF

Data: Tradicionalmente entre agosto e setembro, esse ano devido a um adiamento, acontece nos dias 25 e 26 de outubro

Advindos da fortíssima cena brasiliense temos historicamente alguns grandes nomes da música brasileira, de Legião e Raimundos a Scalene e Aloizio. E um dos responsáveis por essa consolidação da cena local sem dúvidas é o Porão. O festival chega em 2019 a sua vigésima primeira edição, sob a premissa de se reinventar depois de duas décadas. Tendo como um dos principais méritos históricos através dos anos a colocação no line inúmeras bandas brasilienses, revelando e dando espaço para muitos artistas ao longo de suas vinte e uma edições. Como por exemplo esse ano, apesar de headliners de peso no cenário nacional o line é recheado de artistas de Brasília. Encabeçam o line do festival esse ano, nomes como Rumbora e Raimundos, de Brasília, além de Criolo, Ricon Sapiencia, Academia da Berlinda, Project 46, Dead Fish e Supercombo, por exemplo. Historicamente o Porão contou com nomes de peso principalmente de gêneros mais agressivos de rock, inclusive de bandas internacionais, se colocando como um dos maiores do país nessa vertente.

BR135 – São Luiz, MA

Data: Tradicionalmente em novembro

Diretamente de São Luiz vem o maior festival independente do Maranhão. Liderado pela dupla Alê Muniz e Luciana Simões, dupla que forma a banda Criolina, um dos grandes nomes da nova cena maranhense, o festival vai se consolidando e chega em 2019 a sua oitava e mais abrangente edição, pois será a primeira vez em oito anos que o festival irá transcender o centro histórico da capital maranhense, onde acontece tradicionalmente, e irá fazer uma perna na cidade de Imperatriz. Em Imperatriz o evento acontece antes dos principais dias de festival em São Luiz, e irá acontecer apenas na modalidade de música instrumental. O BR 135 segue com sua ideia norteadora de fomentar o mercado criativo musical atacando em duas frentes, com shows, apresentando bandas locais e atrações de projeção nacional, e no que a organização chama de eixo formação, que são atividades voltadas para o negócio musical, com painéis, rodas de conversa, oficinas e atividades nesse sentido. O line up da edição desse ano ainda não foi divulgado, mas já foi confirmado o mês, novembro, que é o mês onde normalmente ele acontece. Mas a julgar pelos nomes da edição passada, onde Zeca Baleiro, Tassia Reis, Maglore e Academia da Berlinda, por exemplo, estiveram presentes, vem aí mais uma bela edição desse festival que só tende a crescer, e a ideia é essa.

Festival MADA – Natal, RN

Data: 18 e 19 de outubro

O Música Alimento da Alma, ou carinhosamente MADA, é um dos mais longevos festivais independentes do país, acontecendo desde 1998. Fez ano passado uma bela e especial edição de 20 anos, com nomes do tamanho de Franz Ferdinand no line, por exemplo. O festival é hoje um dos maiores eventos musicais não só do Rio Grande do Norte, mas de todo o calendário anual do nordeste do país e do Brasil. Festival consolidado, com público fiel, e que segue em crescente através dos anos. O exemplo da grandiosidade do MADA se comprova no peso e qualidade expressa no line up desse ano, nele estão presentes: Baianasystem, Baco Exu do Blues, Luiza Lian, Teto Preto, Djonga, Natiruts, Luedji Luna, Flora Matos e outros nomes, contando ainda com artistas importantes da cena local e regional, como Bex, Potyguara Bardo e Bule. A ideia principal do festival sempre foi aquele de lançar novos artistas na cena, e assim o fez durante os anos, vários artistas hoje consolidados nacionalmente passaram pelo MADA, e assim continua acontecendo. Sabemos quão rica é a música no nordeste do país, eventos da grandiosidade do MADA, com a proposta que o festival carrega são fundamentais. É um grande evento, um importante evento para a cena independente do Rio Grande do Norte, do Nordeste, e hoje, do país.

Festival Sarara – Belo Horizonte – MG

Data: Tradicionalmente em agosto

Um dos mais jovens da nossa lista e, definitivamente, um dos mais jovens da capital mineira. Jovem, promissor, mas já grandioso. O Sarara chegou em 2019 a sua sexta edição e com um dos line ups mais imponentes do calendário de festivais nacionais no ano. Compondo o line, um mix de renomados artistas e artistas de sucesso mais recente. Gente como Gilberto Gil, Bayanasistem, Duda Beat, Iza, Djonga, Silva, Pablo Vittar, Letrux, Marina Lima, Baco Exu e Mano Brown. O público no geral se disse agraciado com a edição desse ano. Essa foi a segunda edição do Sarara a acontecer na explanada do Mineirão, devido ao crescimento de público a cada ano, esse deve continuar sendo o lugar a receber o festival nas edições seguintes. Aliás, a edição de 2020 já tem data confirmada, dia 29 de agosto, e já tem ingressos à venda. O Sarara conta com parcerias comerciais e patrocinadores de peso, com grandes nomes da música brasileira no seu line desde a primeira edição, com cada vez mais público e boas e renovadas ideias, tem tudo para continuar em crescente e a cada edição se consolidar como um dos grandes eventos de Belo Horizonte e um dos festivais mais importantes do país.

Se Rasgum – Belém, PA

Data: De 1 a 3 de novembro

O Se Rasgum talvez seja hoje o maior evento de música independente do norte do país. Responsável por lançar para além do Pará, grandes nomes da cena Paraense. Chega em 2019 a sua décima quarta edição com mais vitalidade que nunca, se utilizando de uma receita que parece ser a mais utilizada pelos festivais brazucas com algumas edições no seu histórico, uma mistura de muito da cena local, com artistas de grande alcance nacional no underground, e por vezes, alguns artistas internacionais. Sendo que a organização já afirmou que tenta cada vez mais estar aberta a novos ritmos e sons, fazendo o festival cada vez mais plural. Assim será esse ano, o festival já confirmou suas datas e seu line up completo, com nomes como: O Quadro, Boorgarins, Francisco El Hombre, Heavy Baile.

Feira Noise – Feira de Santana, BA

Data: Dias 23 e 24 de novembro

Maior festival independente da Bahia e um espetáculo de festival no interior Baiano. Em 2017 o festival fez a sua oitava edição, entre artistas locais e grandes nomes do país, foram 28 atrações e um belo evento. Em 2018, ele cresce, três dias de festival, muitos artistas locais, nomes de peso no cenário nacional e 33 atrações no total. Para em 2019 completar uma década de existência, colocando Feira de Santana na rota da música independente brasileira, e através dessa década, se consolidar como um dos maiores e mais respeitados festivais de arte integrada do Nordeste, celebrando dez anos de vida em uma edição especial. Serão dois dias de festival com vinte atrações no total. No line, nomes como: Dingo Bells, Selvagens à Procura de Lei, Black Pantera, Potyguara, Vivendo do Ócio, Larissa Luz e Zimbra, por exemplo. Um festival que em dez anos fez muito pela nova música baiana, dando espaço para novos artistas e banda do Estado e pela cena de Feira de Santana, ajudando a movimentar e impulsionando a cultura musical da cidade.

Oxigênio – São Paulo, SP

Data: Tradicionalmente entre agosto e setembro

Oxigênio hardcore festival, um festival para quem gosta de música, principalmente música nos gêneros mais agressivos de rock. O Oxigênio presa por bandas dos gêneros de metal no seu line up, mesclando com bandas que fazem um rock menos pesado, receita que vem funcionando. Baseado nas raízes de seus organizadores, grandes bandas brasileiras de hardcore/punk já passaram pelo palco do festival, como por exemplo alguns nomes da edição de 2018 do festival, que teve Dead Fish, Garage Fuzz, Pense, Inocentes, Menores Atos, Dance of Days, Water Rats e Deb and the Mentals, por exemplo. Em 2019 o line foi um pouco mais sereno, por assim dizer, com CPM22, Francisco El Hombre, Supercombo, Terra Celta e Esteban, entre outros, mas sem perder a característica da pegada, teve no line bandas como, Far From Alaska, Pense, Sugar Kane, Dead Fish, Ratos de Porão, Molho Negro e Nervosa. É festival pra bater cabelo, pular, entrar no mosh, transpirar e quase não respirar, haja Oxigênio. Um dos mais relevantes como essa característica no país atualmente e um dos que mais crescem em São Paulo, e no país, e olha que o Oxigênio chegou em 2019 apenas a sua sexta edição, podemos esperar por grandes coisas, mais uma vez, nas próximas edições.

Picknik – Brasília, DF

Data: Tradicionalmente em agosto

No sentindo idealização, este aqui é sem dúvidas o mais inventivo e criativo dessa nossa lista. O festival acontece em um formato somente seu e extraordinário. O festival tem por objetivo catalisar música, economia criativa e muita cultura, contando com ações culturais e propostas de economia colaborativa. Portanto, durante os dois dias em que o evento costumeiramente acontece, atividades como flash tatto, mercadinho de arte, moda e design, exposições artísticas, cinema ao ar livre, mini-arenas de teatro e circo, espaço kids, uma vasta praça de alimentação com área vegana, experiências gastronomicas e inúmeros pratos da gastronomia local, e além disso tudo, muita música. Este ano se apresentaram no palco principal do Picknick artitas como Otto, Hermeto Pacoal, Ava Rocha, Teto Preto, E A Terra Nunca Me Pareceu Tão Distante, Felipe Cordeiro, Glue Trip, e Huey. Além destes, vários nomes da rica e efervescente cena do Distrito Federal, como Rios Voadores, Ops, Azura, Almirante Shiva, Zefiro, entre outros. Além de artistas que se apresentam na proposta de experiência sonora. O incrivel é que toda a parte musical é financiada pelos empreendedores criativos que participam da feira de arte, moda e design, e da praça de alimentação do evento, assim foi esse ano, fazendo com que a entrada no evento seja gratuita, ou mediante a doação de um livro ou de 1kg de alimento ou de um lixo eletronico. Diante de tudo isso, é possível dizer que o Picknick é mais do que um festival, é uma experiência artística colaborativa vasta e plural.

Coala festival – São Paulo, SP

Data: Tradicionalmente em setembro

O Coala é um grande festival que vem se tornando um grande festival. Sim, pois de alguma forma ele já nasceu grande, e depois de quatro edições em crescimento ele vem se tornando um importante nome dentre os festivais dessa nossa lista. Já conta com parcerias importantes e tem tudo para fazer grandes edições nos próximos anos, como os próprios organizadores dizem, o Coala é um festival em construção. O festival é realizado em apenas um dia, mas um dia cheio de grandes nomes no line. Como no line desse ano, que teve Tulipa Ruiz, Fióti e Rael, Rincon Sapiência, Liniker e os Caramelows, Emicida, Caetano Veloso e outros.

Garage Sounds – Itinerante

Data: Entre julho e setembro

Maior festival itinerante do país, o Garage segue à risca a ideia de levar musica até as pessoas. O festival surgiu em 2017 acontecendo na cidade de Fortaleza, e desde então vive em expansão a cada ano. Chegando a sua terceira edição em 2019, já são mais de 100 bandas e artistas que passaram pelos palcos do Garage. Já em 2018 ele foi realizado em cinco capitais do Norte e Nordeste. Em 2019, a viagem do Garage começou no dia 26 de julho no Rio e se encerrou no dia 7 de setembro em Belém, no geral o festival passou por 11 cidades brasileiras, além do Rio e Belém, o evento aconteceu em Curitiba, Santos, Belo Horizonte, Aracaju, Natal, Maceió, Recife, Fortaleza e Manaus. Além das datas no Brasil, o festival realizou esse ano pela primeira vez uma edição no exterior, no dia 20 de abril em Amsterdam, contando com 12 bandas de três países. No line, bandas de diversos subgeneros do rock, de renome nacional que acompanharam a turnê do festival se apresentando em várias cidades, os principais nomes, que foram: Dead Fish, Molho Negro, Zander, Esteban, Surra, Krisiun, Gloria e Hateen, compunham o line em cada cidade apenas bandas locais. O Garage tem apenas três edições, uma ideia sensacional e fez na sua edição mais recente uma série de eventos incríveis, só nos resta torcer por sua vitalidade e continuidade.

Bem Ali – Palmas, TO

Data: Dia 19 de outubro

O Bem Ali é hoje o mais importante festival independente de música do Tocantins, um dos mais importantes da região norte do país e um dos que mais crescem no norte do Brasil atualmente. Chega em 2019 a sua sexta edição. O festival é também um dos responsáveis pelo levantar, pelo ressurgimento e por ajudar a pavimentar um caminho para a consolidação da renovada cena local. O Bem Ali é um dos grandes espaços para apresentações de bandas tocantinenses, não só da capital, pois abre espaço também para bandas do interior do Estado tocarem nas previas e seletivas do festival. O evento é a menina dos olhos da produtora Árvore Seca, idealizadora e criadora não apenas do festival, mas de diversos outros eventos que ajudaram a reerguer e rejuvenescer a musica independente no Tocantins. Hoje, além do festival, inúmeras bandas de renome da cena independente nacional, e até bandas internacionais, fazem frequentemente shows em Palmas em eventos organizados pela produtora. Nesse caso em específico, a continuidade do festival tem além de toda a importância que um festival de música independente pode ter, a importância de ser o adubo e a vitamina c para o florescer e o consolidar da renovada e cada mais efervescente cena tocantinense. A edição de 2019 do Bem Ali acontece no próximo sábado (19), com um dos mais qualificados lines dentre suas seis edições. Nove bandas, com nomes de projeção nacional presentes, como Joe Silhueta, Molho Negro, Desert Crows, Stolen Byrds e Almirante Shiva, além de bons nomes da cena local, como a Wizened Tree, Big Marias, Sopprü e Indxxr. O Aloutta fará a cobertura do evento. Vida longa ao Bem Ali.